quarta-feira, 16 de Abril de 2014

Substituir a Coca-Cola e outros refrigerantes

Já vos disse aqui que era uma grande bebedora de Coca-Cola. Todos os dias enfiava ora uma Light ora uma Zero pela goela abaixo. Já sabia que fazia mal quando a bebia, mas bebia na mesma (shame on me!). Não me dava para o Sumol nem para a Fanta, dava-me para Cola. Entretanto, como me tenho interessado mais sobre estas coisas de ser saudável, voltei a cair nas informações sobre os refrigerantes numa procura sobre mais dados sobre alimentação. As principais estão neste post que eu vos aconselho a ler/reler. Se gosta de Coca-Cola que não é Zero nem Light (ou seja, não tem aspartame), lembre-se que tem mais açúcar refinado do que aquele que deveríamos ingerir diariamente, o que não só faz engordar como aumenta os níveis de triglicérideos no sangue. Como o açúcar é transformado em gordura, pode causar doenças cardíacas, diabetes do tipo 2 e AVCs. Para além disso vários estudos concluíram que o ácido fosfórico aromatizante, presente nos ingredientes da Coca-Cola, pode causar osteoporose. Este ácido é tão forte e causa tanta acidez no sangue que vai “roubar” o cálcio dos ossos para neutralizar o ácido no organismo.

Nas crianças, o açúcar em excesso faz com que fiquem hiperactivas. E não é à toa que há cada vez mais crianças com diabetes e osteoporose.

Posto isto, só vos posso aconselhar a deixarem a Coca-Cola. A minha substituição é muito simples: tem o gás da Coca-Cola, um toque de limão e refresca igualmente bem! Quando me apetece beber porcaria o que eu faço é:




Um rodela de limão num copo
Uma colher de chá de açúcar de coco ou mascavado (ando sempre com açúcar na carteira)
Água com gás

Esmague o limão e o açúcar. Junte a água com gás e misture. Voilá!
Em qualquer café/restaurante/snack bar português lhe dão um copo com uma rodela de limão e uma Agua das Pedras. No Norte há quem chame esta combinação de “Pneu”.

Se lhe der a preguiça o melhor é pedir uma Água das Pedras de Limão e Chá Verde (não, não tenho qualquer patrocínio da Água das Pedras). É a única no mercado que não só não tem açúcar como não tem adoçantes. A Frize tem adoçantes. Mas é sempre melhor fazer a sua limonada com gás do que comprar já feita.

Espero que comecem a fazer as vossas substituições mais saudáveis e deixem definitivamente de lado as porcarias que, apesar de poderem saber bem, só fazem mal.

Se tiverem outras sugestões partilhem comigo, sou toda de ouvidos e a comunidade agradece!


quinta-feira, 10 de Abril de 2014

Esparguete de courgette com molho de beringela


Um prato super leve e delicioso! Como sou uma mulher de substância e quando me dá a fome a sério não me contento só com legumes, juntei millet (que não aparece na fotografia) e ficou divinal. Para um jantar levezinho é perfeito, não é bom ir para a cama de barriga cheia! Se tiver um daqueles cortadores super espectaculares que transformam a courgette logo em esparguete, use-o! E também pode fazer um esparguete cru e juntar o molho. De todas as maneiras é uma delícia! A courgette e a beringela são um dueto de sucesso!




Para o esparguete:
4 courgettes/abobrinhas raladas (ralei no processador de cozinha)
uma pitada de sal marinho
uma pitada de pimenta preta/do reino
um fio de azeite

Pré-aqueça o forno a 200ºC.

Coloque a courgette/abobrinha num tabuleiro de ir forno coberto com papel vegetal. Tempere com o sal e a pimenta e regue com um fio de azeite.

Como a quantidade é grande deve fazer em dois tabuleiros, para não se sobreporem e não criarem água.

Leve ao forno durante 15 mn ou até as bordas começarem a dourar e a courgette estiver tenra.

Para o molho
1 cebola picada
1 dente de alho picado
1 beringela cortada aos quadradinhos
4 tomates aos pedaços
5 colheres de sopa de polpa de tomate
uma mão de azeitonas partidas aos pedaços
uma mão cheia de folhas de orégãos frescos (só as folhas)
uma mão cheia de folhas de manjericão picadas

Refogue a cebola. Quando estiver translúcida junte o alho picado e cozinhe mais 1 mn. Junte o tomate e o piri-piri e deixe cozinhar 10 mn, até estar tenro. Se for necessário adicione um pouco de água.

Junte as beringelas e envolva. Tempere com sal, cubra e deixe cozinhar 10 mn, mexendo de vez em quando.

Adicione a polpa de tomate e um pouco de água se for necessário. Envolva tudo bem, volte a tapar e deixe cozinhar mais 5 a 10 mn.

Quando a beringela estiver tenra, adicione as azeitonas e as ervas, envolva e desligue. Deixe descansar 5 mn para os sabores apurarem e sirva por cima da courgette/abobrinha.


 Sirva o molho por cima do “esparguete” e delicie-se!

segunda-feira, 24 de Março de 2014

Charutos de couve com recheio agridoce e molho de tomate



Ou “como transformar um resto de arroz num banquete”?


Para as folhas de couve
1 couve portuguesa (ou outra que tenha as folhas largas) – usei 6 folhas

Corte as folhas com os talos rentes e ponha-as a cozer, com os talos para baixo, numa panela com água e sal. Guarde os restos dos talos que cortou para a sopa ou para um sumo verde. Deixe cozer durante 10 a 15 mn ou até estarem tenras. Verifique, sobretudo, se o talo está tenro – basta trespassá-lo com uma faca.


Escoe a água e reserve.



Para o recheio
1 chávena/xícara de arroz cozido (eu usei um resto de arroz de grelos, mas pode ser arroz branco, quinoa, trigo sarraceno, o que quiser, desde que já esteja cozido)
metade de uma maçã cortada aos pedacinhos ou ralada
2 cebolas cortadas fininhas
2 colheres de chá de vinagre de vinho (ou outro que tiver)
1 colher de chá de açúcar mascavado

Coloque a cebola numa panela com um fio de azeite e deixe refogar durante 20 mn ou até estar tenra.

No final, junte o vinagre e o açúcar e mexa até deixar de sentir o cheiro do vinagre (3 a 5 mn).

Envolva a cebolada no resto de arroz, junte a maçã e reserve.


Para o molho
1 cebola picada
1 dente de alho picado
5 tomates sumarentos
Uma pitada de sal

Nota - Use uma panela com uma base larga, para os charutos de couve caberem todos no fundo.

Refogue a cebola num fio de azeite. Quando começar a ficar translúcida junte o alho e deixe refogar mais  2 mn. Junte o tomate, tempere com o sal e envolva.

Tape de deixe cozinhar 15mn, mexendo de vez em quando. Se necessário junte um pouco de água.


Quando os tomates estiverem desfeitos, retire do lume. Passe o molho ligeiramente com a varinha mágica. Deve ficar cremoso mas não um puré (eu gosto que ele fique com alguma textura).






Tudo junto!

Com muito cuidado retire as folhas de couve e estique-as num prato ou na tábua.

Coloque uma colher de sopa bem cheia de recheio no centro e faça uma trouxa, enrolando primeiro a parte do caule, como indicam as imagens.

Para garantir que as trouxas não abrem, trespasse-as com um palito.

Leve a panela com o molho de tomate de novo ao fogão, em lume brando, e, com muito cuidado, junte as trouxas de couve e deixe apurar durante 10 mn, tapado.


Sirva com carinho!